Know that when you leave
By blood and by me you walk like a thief
By blood and by me I fall when you leave

So tell me when you hear my heart stop
You’re the only one that knows
Tell me when you hear my silence
There’s a possibility I wouldn’t know

So tell me when my silence’s over
You’re the reason why I’m closed
Tell me when you hear me falling
There’s a possibility it wouldn’t show

(Lykke Li – Possibility)

 

É isso, de alguma forma, eu continuo esperando aquele – adeus – chegar.

Publicado: 26 março, 2013 em Minhas Cores, pensamentos
Tags:

Ainda tem aqueles dias que tem cara de vida toda.

Nesses dias eu corro. Me escondo dentro de mim, na esperança de tentar me preservar.

Em vão, eu sei.

Publicado: 26 março, 2013 em pensamentos
Tags:

Até que ponto a verdade é benéfica?

Até que ponto dizer a verdade faz bem? E, se faz bem, pra quem o faz?

A sensação de alívio que a verdade traz nem sempre é compartilhada.

Sendo assim, a verdade pode se tornar uma pura expressão de egoísmo, egocentrismo.

… “eu preciso te dizer isso, pois vou me sentir melhor… mas você vai se sentir uma merda”

Mas assim, engole aí, porque é a verdade, e no final das contas é isso que interessa, não?

Ou será que a Tori Amos é que sabe das coisas e já está à frente do mundo a muito tempo?

“If you love enough you’ll lie a lot”

Suas verdades, por vezes, machucam. São duras. São críticas. Esmagam. Deixam um gosto amargo.

Suas verdades.

Suas.

.

 

Publicado: 20 março, 2013 em Minhas Cores, pensamentos
Tags:

E então, de repente “Amor”.

Em algum momento houve um descuido, por alguns segundos o escudo caiu. E esse erro milimétrico foi o suficiente, foi o que bastou pro sorriso entrar, percorrer o corpo, as veias, as vísceras. O verde regou tudo, com um olhar, num brilho diferente e então… tudo parou. Tudo mudou.

Publicado: 18 março, 2013 em pensamentos, Por ai...
Tags:, , ,

Hoje pela manhã Deus me visitou. Simples assim. E como todas as outras vezes pareceu ser a primeira vez.

Sempre é uma surpresa deliciosa quando Ele resolve aparecer.

Isso vai muito além de religiões e dogmas.

É algo intimo, um momento nosso, uma conversa boa com um bom amigo.

 

Publicado: 18 março, 2013 em Minhas Cores, pensamentos
Tags:, , ,

Não há duvida que as palavras mais bonitas são escritas na sombra da dor. Nada como um bom luto para escrever. Nada supera a tinta derramada no papel em meio a angustia e sofrimento. Quem escreve sob os açoites do desespero flui de uma forma única, num compasso lento, seguindo a via crucis de quem não pode ir além, pois já alcançou o fundo a muito tempo.

Ah, nada como umas palavrinhas cheias solidão. Nada como regar o papel com lagrimás, ou quem sabe, até mesmo sangue.

Fica tudo tão cheio de sentimento e emoção.

Porém, assim como a desolação acompanha as palavras mais belas, a felicidade carrega a beleza.

Palavras não bastam pra felicidade. São poucas, inúteis, irregulares, incapazes, insuficientes, ineficazes. Talvez porque a única solução para conviver com a felicidade seja vivendo a felicidade.

Para a dor, há a tinta e o papel. Para a felicidade, há a vida. Nada traduz isso.

 

“De onde vem a indiferença, temperada a ferro e fogo?”

Uma vez alguém me disse: Se alguém te disser que vai te machucar, acredite! Mais cedo ou mais tarde essa pessoa vai te machucar mesmo.

Medo

Indiferença

Mágoa

Não me atinge

Eu não me importo

Difícil mesmo é quando vem sem aviso. Complicado é quando tá nas entrelinhas.

Publicado: 7 março, 2013 em pensamentos
Tags:

Tudo novo de novo, como diz uma música acolá.

Agora é uma questão de tempo. O jogo do amor, da conquista, é como uma grande mesa de apostas, o dados estão rolando. Se tivermos sorte, voltamos pra casa de coração cheio. Se não for tão bom assim, a gente acredita que na próxima rodada tudo vai melhorar.

Li algo sobre a esperança hoje, como sendo o último mal da caixa de Pandora. Deve ser por aí mesmo, pois essa tal esperança faz com que a gente sempre acredite que vai dar certo. E é sempre o inferno quando não dá. E é sempre inverno quando não dá.

Publicado: 28 fevereiro, 2013 em pensamentos
Tags:

E então ele me chama “meu bem”.